LOOPS.LISBOA
SEX 17, SAB 18, QUI 23, SEX 24 e SAB 25 NOV, 18:00-22:00 // Quarteirão das Artes, Montemor-o-Velho 

Pode dizer-se que a imagem-base que compõe um loop — seja ela narrativa ou abstrata, linear ou desconstruída, de curta ou longa duração — é, por definição, como uma ilha. Uma estrela. Uma peça isolada.
Mas a magia da linguagem do loop, este ponto de partida histórico para o cinema e a videoarte, é precisamente o seu próprio nome; o seu próprio dispositivo; a sua própria existência enquanto ferramenta. O loop faz da ilha um arquipélago; da estrela uma constelação.
A loop is a loop is a loop.
A diversidade de olhares sobre o conceito de loop marca tanto os 135 trabalhos inscritos quanto os três finalistas do LOOPS.LISBOA 2016: trabalhos que também dialogam com o cinema, o teatro, a performance, o ativismo, a poesia. A exaustão do loop de “Zootrópio” de Tiago Rosa-Rosso Carvalhas; os segundos de terrorismo poético que se transformam em suspensão de tempo de “Today, I am just a butterfly sending you a sentence” de Patrícia Almeida; e a extensão dos limites do espaço de “Laje Branca” de Pedro Vaz, perfazem o recorte curatorial da segunda edição de Loops.Lisboa no âmbito do Festival Temps d'Images Lisboa.
Alisson Avila

Júri de Pre-Seleção: Irit Batsry (presidente), Alisson Avila, António Câmara Manuel, David Cabecinha
Júri de Premiação: Emília Tavares (presidente), Gary Hill, Miguel Rios.


Entretanto, estão abertas até ao dia 15 de Novembro, as inscrições para a próxima edição do LOOPS e os três finalistas serão exibidos a partir de 5 de Dezembro no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado. Mais informações no site Temps d'Images.


ZOOTRÓPIO // Tiago Rosa-Rosso Carvalhas

ZOOTRÓPIO de Tiago Rosa-Rosso Carvalhas
© Tiago Rosa-Rosso Carvalhas

A terra é azul como uma laranja
Jamais um erro as palavras não mentem
Elas não lhe dão mais para cantar
Na volta dos beijos para se entender
Os loucos e os amores
Ela sua boca de aliança
Todos os segredos todos os sorrisos
E que roupagens de indulgência
Para acreditá-la inteiramente nua
As vespas florescem verde
A aurora se enrola no pescoço
Um colar de janelas
Asas cobrem as folhas
Você tem todas as alegrias solares
Todo o sol sobre a terra
Sobre os caminhos da sua beleza
Paul Eluard

Realizador: Tiago Rosa-Rosso
Actores: António Dente, Miguel Plantier, Inês Cartaxo, Ana Monteiro
Cor; 16'




TODAY, I AM JUST A BUTTERFLY SENDING YOU A SENTENCE* // Patrícia Almeida

Patrícia Almeida
© Patrícia Almeida

No dia 15 de Abril de 2015, Josephine Witt, ativista “free-lancer”, interrompe a conferência de imprensa do Banco Central Europeu (BCE) atirando ao seu presidente, Mario Draghi, confettis e panfletos. Essa intervenção, desde o momento em que a ativista se levanta da primeira fila até ser levada pelos seguranças, durou 23 segundos. No entanto, as fotografias feitas pelos jornalistas presentes na sala vão circular durante as próximas 24 horas nas televisões e imprensa do mundo inteiro. Este vídeo é uma montagem e uma tentativa de reconstituição dos micro-acontecimentos presentes nas fotografias encontradas desse evento.
Confronta o tempo original da ação, com o tempo fotográfico – expandido – desse mesmo acontecimento.

* Frase do manifesto de Josephine Witt sobre o seu protesto contra o BCE

Video, 7'
Patrícia Almeida
Montagem: David-Alexandre Guéniot e Patrícia Almeida
Agradecimentos: Raquel Castro e Festival Verão Azul




LAJE BRANCA // Pedro Vaz 

Pedro Vaz©Pedro Vaz

O filme Laje Branca é um take único de duas câmaras cobrindo 180º de direcções cardiais opostas de uma ilha.
A ilha é uma laje branca, rochosa e nua, rodeada de uma paisagem montanhosa distante. Um homem caminha o limite do seu perímetro exterior. O movimento de progressão e a cadência da ondulação marítima são os dois únicos elementos móveis num cenário profundamente estático.
O seu percurso vem a delinear-se elíptico e a revelar volumetria na formação rochosa, o que sugere uma suspensão.
A pesquisa do autor, sobretudo em pintura e vídeo-instalação, tem sido dedicada às possibilidades e extensões da paisagem. Leva a cabo uma prática empenhada numa abordagem fenomenológica – a paisagem enquanto paisagem vivida. Para isso, inclui no seu processo de trabalho a expedição e a caminhada. Procura um encontro autónomo entre o corpo presente e o lugar.
Interessa, neste filme, a intercepção entre formular uma paisagem e a consciência de a estar a formular. Projectar para exterior a paisagem conforme filtrada pelos seus olhos protésicos, mas manter-se, ou regressar, ao que é visto como quem ainda não tem a capacidade de ter consciência que vê.

Laje Branca, 2016
Cor, 1:1, 1080p
3’24’’ Loop




LOOPS.LISBOA
SEX 17, SAB 18, QUI 23, SEX 24 e SAB 25 NOV, 18:00-21:00 // Quarteirão das Artes, Montemor-o-Velho 

SEX 17 NOV 21:30 // Teatro Esther de Carvalho, Montemor-o-Velho

SAB 18 NOV 21:30 // Teatro Esther de Carvalho, Montemor-o-Velho

QUI 23 NOV 21:30 // Teatro Esther de Carvalho, Montemor-o-Velho

SEX 24 NOV 21:30 // Teatro Esther de Carvalho, Montemor-o-Velho 

SAB 25 NOV 21:30 // Galeria Municipal, Montemor-o-Velho 

QUI 30 NOV e SEX 1 DEZ 21:30 // Teatro da Cerca de São Bernardo, Coimbra

SAB 2 DEZ 21:30 // Teatro da Cerca de São Bernardo, Coimbra

QUI 7 DEZ 21:30 // Garagem Auto Peninsular, Figueira da Foz

SEX 8 DEZ 21:30 // Garagem Auto Peninsular, Figueira da Foz

SAB 9 DEZ 21:30 // Garagem Auto Peninsular, Figueira da Foz