TEATRO DO VESTIDO
PONTES DE SAL OU AS MÃOS GRETADAS
Trabalho de campo para uma criação futura
Sex 10 Ago 21:30 & 23:00 // Núcleo Museológico do Sal, Figueira da Foz
(residência de criação, apresentação informal)

© Col. Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz


Salinas, Figueira da Foz.
Trabalho feito por gente.
Gente com vidas que merecem ser contadas.
Lugares que são parte dessas práticas em abandono, práticas em desuso, em desaparecimento.
Lugares em desaparecimento.
 
O Teatro do Vestido no CITEMOR, em busca de lugares, profissões e histórias em desaparecimento, neste seu esforço de inscrição permanente sob forma performática, na paisagem dos dias, na paisagem do festival, na vida dos que partilham desta forma de teatro-acontecimento-experiência,
 
qualquer coisa como teatro-poema enquanto forma de escavar,
desenterrar o que se quer enterrado e apagado, nessa voracidade de se pensar
o futuro sempre para hoje,
e tanta coisa nova para agarrar, comprar, descobrir.
 
Ou: este plano tão bem montado do esquecimento.
A bem de um presente sem memória.
E nós na luta contra isso.
 
Com este projecto, o Teatro do Vestido regressa ao CITEMOR, esse lugar onde há espaço para estar, para escavar, para conduzir processos de investigação e residência. Com esta residência, iniciamos o nosso trabalho de campo, que culmina aqui com a apresentação dos diários de campo desta primeira etapa. E só o podemos fazer porque estamos no CITEMOR, porque é junto com essa equipa que o fazemos.
 
Se, há um ano atrás, nos imaginávamos “de mãos gretadas e boca seca do calor,
e a querer falar sobre isso”, hoje confirmamo-lo – estamos assim, exactamente assim. Vontade doida de falar destas coisas em desaparecimento, destas pessoas e saberes ancestrais em desaparecimento.
 
Hoje, escrevemos,
 
É mais ou menos como as salinas deste marinho.
Agora está escuro e por isso vocês não vêem.
Mas é só imaginar cada canal como uma dessas tais feridas abertas e está feito.
Os canais têm nomes, e os caminhos têm nomes,
e tem tudo nomes, todos os utensílios,
todas as ervas,
os passos todos.
Nós não os sabemos exactamente
 
Mas vamos levar-vos numa viagem pelo escuro do sal
Da água
Da lama
 
Ou, citando o Branquinho da Fonseca,
“boca ressalgada.................boca ressalgada...........”
 
Ou, citando o Gedeão,
“provo-me e saibo a sal/ não se nasce impunemente nas praias de Portugal.”
 
E é bem verdade.
 
Joana Craveiro
(a escrever na antiga ortografia mais ou menos desde 1979)
 
Texto e direcção: Joana Craveiro
Criação e Interpretação: Carlos Marques, Joana Craveiro e Tânia Guerreiro
Música (composição e interpretação): Carlos Marques
Figurinos: Tânia Guerreiro
Desenho de Luz: Carlos Ramos
Produção Executiva: Cláudia Teixeira e Joana Cordeiro
Co-produção: Teatro do Vestido e CITEMOR
O Teatro do Vestido é uma estrutura financiada pela República Portuguesa / Ministério da Cultura / Direcção Geral das Artes

Joana Craveiro é Artista Residente do Teatro Viriato

O Teatro do Vestido agradece a todos os que generosamente connosco partilharam as suas histórias de vida, artes e saberes, especialmente a Gilda, o Paulo, a Rosa, a Linda, o Sr. Zé Carlos, o Sr. Buiça, o Sr. Reis, o Luís, a Jacqueline. Agradece ainda ao Paulo toda a generosidade na partilha do seu espaço, e da comida que tão generosamente nos serviu. Agradece ao Núcleo Museológico do Sal a paciência, a hospitalidade e a liberdade que nos ofereceu neste processo. Agradece à equipa do CITEMOR por continuar a ser como é, ou seja, incansável, inigualável, e mais coisas a começar com i, e todas boas. Agradece à mais jovem membro da equipa, Luísa, pelo precioso apoio e assistência. E agradece ao chef Carlitos e aos seus imbatíveis manjares.
 
Agradecemos ainda às nossas famílias, que estão sempre na rectaguarda disto tudo que fazemos.
E, por falar nisso, enquanto decorria este processo, lavrava furiosamente no sul de Portugal, um fogo que devastava tudo, comia uma serra inteira. Um dos membros da nossa equipa é oriunda daí mesmo, dessa terra ardida. Agradecemos-lhe o ter ficado connosco no meio disto tudo, e dizemos-lhe que este espectáculo é, também, em memória dessa terra ardida, dessa tristeza tão grande.



I-VO DIMCHEV // LIVE SOLO CONCERT
Qui 19 Jul 21:30 // Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra

Sex 20 Jul 21:30 // Teatro de Bolso do TEUC, Coimbra

Sáb 21 Jul 21:30 // Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra
Qui 26 Jul 22:30 // Teatro Esther de Carvalho, Montemor-o-Velho

Sex 27 Jul 22:30 // Casa Catela, Montemor-o-Velho

Sáb 28 Jul 22:30 // Sala B, Montemor-o-Velho

Qui 2 Ago 22:30 // Garagem Auto Peninsular, Figueira da Foz

Sex 3 Ago 22:30 // Casa Catela, Montemor-o-Velho

Sáb 4 Ago 22:30 // Sala B, Montemor-o-Velho

Qui 9 Ago 22:30 // Teatro Esther de Carvalho, Montemor-o-Velho

TEATRO DO VESTIDO // PONTES DE SAL OU AS MÃOS GRETADAS
Sex 10 Ago 21:30 & 23:00 // Núcleo Museológico do Sal, Figueira da Foz

Sáb 11 Ago 22:30 // Garagem Auto Peninsular, Figueira da Foz

Qui 2 a Sáb 11 Ago // Museu Municipal Santos Rocha, Figueira da Foz


No acesso a todos os espectáculos é o espectador que define o preço do bilhete